Nazeem Muhajarine – O mundo perdeu um grande homem em 26 de Dezembro de 2021- lutador pela liberdade e justiça, ícone moral, o arcebispo do povo e laureado com o prémio Nobel.

Pessoas como o reverendo Arcebispo Desmond Mpilo Tutu só aparecem uma vez em cada geração. Quando morreu em 26 de Dezembro de 2021, aos 90 anos, deixou um país libertado da política brutal e insidiosa do Apartheid, um quadro colonial sem comparação na era moderna.

Desmond Tutu dedicou a sua vida para corrigir este erro. “A sua luta de toda a vida para libertar o seu povo das garras do colonialismo do Apartheid deu frutos quando a África do Sul elegeu democraticamente o seu primeiro presidente negro em 1994. Naquela época, o Arcebispo Tutu chamou a Nova África do Sul pós-apartheid, a “nação arco-íris”, reflectindo apropriadamente a promessa obstinada de um país multi-racial recém -liberado.

Nazeem Muhajarine com Desmond Tutu.

Estou a recordar o dia em que tive um encontro com este grande homem. Em Maio de 1987, eu era o chefe da turma sénior, da turma de licenciatura de 1987, no Oberlin College, Ohio, e eu tinha liderado uma campanha bem-sucedida dos estudantes para trazer Tutu para a nossa Assembleia como convidado honorário. Nessa ocasião, partilhei a plataforma com Tutu, juntamente com outros dignitários, fazendo discursos (no meu caso, o discurso do chefe da turma, no caso de Tutu, o discurso de início), e geralmente se baseando no brilho deste grande homem.

Ao dirigir-se à turma de licenciatura naquele dia, em 1987, Desmond Tutu não decepcionou. Se bem me lembro, a sua mensagem foi animadora, inspiradora, e misturada com a inteligência e o humor pelos quais Tutu era conhecido. Palavras como “extraordinário” foram espalhadas.    

Eu também liderei uma campanha para angariar fundos de meus colegas estudantes ($6000 dólares na época) para o seu fundo memorial de bolsas de estudos — e eu apresentei um cheque simbólico juntamente com uma tigela Haagen daz de sorvete de rume e uvas passas, ambos que ele recebeu com satisfação! Ouvimos de uma fonte confiável, sua filha, que o grande homem tinha um gosto por sorvete de rum e uvas passas. Não conseguimos resistir.

Enquanto escrevo isto, não espero aproximar-me da grandeza como fiz naquele solarengo dia de primavera em Maio de 1987. Ele deixa uma marca indelével dentro de mim como o seu legado para toda a humanidade.

Nazeem Muhajarine é Professor da Universidade de Saskatchewan e Investigador Principal do Projecto de Saúde Materna Moçambique – Canadá.